Conhecendo a Grande Vitória: O sistema municipal de Vitória

Dando prosseguimento a nossa série Conhecendo a Grande Vitória, na postagem de hoje, iremos abordar sobre o sistema municipal de Vitória. Mas antes, um pouco da história da cidade!

A história da Vitória

Vitória surgiu devido aos constantes ataques indígenas, franceses e holandeses a Vila Velha, que era a capital da capitania do Espírito Santo. Os portugueses decidiram então mudar a capital e escolheram uma ilha próxima ao continente, chamada pelos índios de Ilha de Guanaani. A Vila Nova do Espírito Santo, como era denominada, foi fundada em 8 de setembro de 1551 e posteriormente denominada Vitória, em memória da vitória em uma grande batalha comandada pelo donatário da capitania, Vasco Fernandes Coutinho, contra os Goitacases.
Até o século passado, os limites da capital capixaba eram o atual Forte de São João, onde atualmente está localizado o Clube de Regatas Saldanha da Gama, próximo ao centro da cidade, e também o morro onde funciona o atual hospital da Santa Casa de Misericórdia, no bairro Vila Rubim. A cidade foi sendo construída nas partes altas, o que deu origem a diversas ruas estreitas. A parte de baixo foi sujeita a ataques e devido a isso foram construídos vários fortes na beira do mar.

Instituto dos Advogados de Vitória (foto superior) e Centro Histórico (foto inferior)  – Fotos extraídas do Wikipédia

Em 24 de fevereiro de 1823 (17 de março de 1829 ?) a vila de Vitória foi elevada a cidade, mas seu isolamento insular evitava seu desenvolvimento. A partir do ano de 1894, com o ciclo do café, iniciaram-se na ilha diversos aterros nas partes baixas da cidade, alterando a forma da ilha e modernizando-a. Foram construídas após disso diversos bairros, escadarias e foram derrubados casarões. Além disso foi melhorado o saneamento.
Em 1941 surgiu o primeiro cais na capital e em 1927 a ponte que ligou a ilha ao continente. O porto se desenvolveu. Em 1949 foram feitos mais aterros e foram construídas amplas avenidas. Depois dessas várias mudanças a cidade tornou-se o maior centro do Espírito Santo. Em 1970 o Porto de Vitória se tornou um dos mais importantes do país, e a capital começou a se industrializar. A modernização da ilha gerou o desaparecimento de quase todos os vestígios da Colônia e do Império na ilha.

Para acessar Vitória, foram construídas 3 pontes:

– A Ponte Florentino Avidos (também conhecida por 5 Pontes), que liga a Rodoviária ao bairro (e terminal Transcol) de São Torquato, que foi construída em 1927
– A Ponte do Príncipe (conhecida por 2ª Ponte), que liga à Av. Nair Azevedo Silva (bairro Ilha do Príncipe) à Rodovia Carlos Lindenberg (Vila Velha), inaugurada em 1979
– E a Ponte Deputado Darcy Castello de Mendonça (ou a 3ª Ponte), integrante da ES-060 (Rodovia do Sol), que liga a Reta da Penha ao Centro de Vila Velha. A 3ª Ponte é considerada uma das 10 maiores pontes do país, com um vão central de 70m de altura (o 2º maior)

E o sistema municipal é composto por 56 linhas, com uma frota de 342 veículos, divididos entre 3 empresas: Viação Grande Vitória (esta também opera linhas do sistema Transcol), Viação Tabuazeiro e Unimar Transportes (outra que opera no sistema Transcol). Não há uma numeração padrão para as empresas. A tarifa dos ônibus convencionais é de R$ 2,35 e a dos ônibus seletivos, R$ 2,50. Vejam abaixo uma galeria de fotos com ônibus das 3 empresas, confiram!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Unimar Transportes, Viação Grande Vitória, Viação Tabuazeiro, Viagens Interestaduais. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s