Justiça derruba liminar e passagem já pode ser reajustada para R$ 3,95

No entendimento do Rio Ônibus, o aumento já vale a partir de quinta-feira, e a Prefeitura não deu previsão. Ministério Público vai recorrer novamente.

A novela que parecia ter um fim, ganhou um novo capítulo. A desembargadora Marília de Castro Neves Vieira, da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, atendeu à uma série de argumentos dos Consórcios da cidade e derrubou a liminar que impedia o reajuste da passagem de R$ 3,60 para R$ 3,95. A liminar para suspensão do acordo firmado entre Prefeitura e Rio Ônibus, sindicato que representa os consórcios da cidade, havia sido impetrada pelo Ministério Público Estadual, que determinava que a Prefeitura apresentasse estudos que comprovassem que os R$ 0,20 referente à implantação do ar-condicionado foi excluído da base de cálculo da nova tarifa, conforme determinação da própria Câmara Cível.

1-P1390992

Ônibus da Auto Viação Palmares com passagem marcando R$ 3,60 ainda. Para Rio Ônibus, o reajuste com liberação da Justiça, já vale a partir de amanhã.

Ao analisar o recurso, a desembargadora entendeu que o adicional foi excluído, de fato, do cálculo da nova tarifa, conforme publicação do decreto municipal 43.601, de 31/08/2017.

“Ressalte-se, ainda que, como afirmado pela edilidade [prefeitura], o valor do adicional de R$ 0,20 (vinte centavos) não foi considerado na base de cálculo da nova tarifa, fixada em quantia inferior àquela que seria obtida caso utilizado o reajuste contratualmente previsto, já que, de acordo com a fórmula prevista no contrato de concessão, se chegaria a uma tarifa no valor de R$ 4,05 (quatro reais e cinco centavos)”, destacou.

Ainda no despacho de decisão, a magistrada alega que o Decreto 44.600 fixou uma “tarifa provisória de equilíbrio”, no valor de R$ 3,95, enquanto se concluem os trabalhos de auditoria feita pela Pricewaterhouse Coopers (PwC Brasil), contratada pela prefeitura para realizar a revisão tarifária conforme manda o contrato de concessão, assinado em 2010.

“O que não se pode autorizar é que, durante esse período, o sistema entre em colapso, diante da imposição de uma tarifa reconhecidamente insuficiente para remunerar os serviços”, assinalou a magistrada.

Em declaração feita ao RJ1, da TV Globo, o Rio Ônibus disse que o departamento jurídico teve o entendimento de que, a partir da cassação da liminar requerida pelo Ministério Público, o aumento já pode começar a valer 48 horas depois. No caso, o aumento passa a valer a partir desta quinta-feira (21/06). No entanto, a Prefeitura ainda não se pronunciou sobre quando irá aplicar o reajuste. O Ministério Público já avisou que irá recorrer novamente.

1-P1380899

Empresas como a Tijuca, Transurb e Estrela Azul são constantemente vistas com seus ônibus de ar-condicionado desligados, o que deixa o interior ainda mais abafado que o seu exterior.

Principal polêmica em relação à tarifa, o ar-condicionado, em certas empresas, virou uma lenda. Mesmo tendo o aparelho de ar-condicionado ali, os ônibus de empresas como a Transurb, Verdun, Estrela Azul e Auto Viação Tijuca são constantemente vistos pelas linhas da cidade com seus ônibus com o ar-condicionado desligado. Um ônibus com o ar-condicionado desligado e as janelas abertas fica mais abafado do que o exterior do mesmo, o que pode acarretar, até, problemas de saúde. A pergunta que fica no ar é se as duas partes respeitarão, integralmente, a implantação do ar-condicionado e não deixarão que cenas como essa da foto registrada pelo Portal Flumibuss RJ continue sendo recorrente. 

Leia a íntegra da decisão da desembargadora: https://goo.gl/i9TkKf

Com informações do Tribunal de Justiça do RJ e do G1 Rio

Anúncios

Prefeitura anuncia, enfim, o reajuste da tarifa para R$ 3,95

Inicialmente previsto para ser R$ 4,05, ambas as partes negociaram redução de R$ 0,10.

Capturar4

Prefeito Crivella com Presidente do Rio Ônibus, Claudio Callak, anunciando o reajuste. Foto: Reprodução G1 RJ

Demorou, mas saiu. Em uma cerimônia hoje no Palácio da Cidade, o Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e o presidente do Rio Ônibus, Claudio Callak, assinaram o acordo que, entre outros pontos, fixa o valor da tarifa do Bilhete Único Carioca em R$ 3,95, um reajuste de 9,72%. Dentre os pontos acordados, estão: a climatização total da frota até 2020, lançamento de um aplicativo com o horário e itinerário de todas as linhas e a renúncia aos processos movidos pelo Rio Ônibus contra a Prefeitura do Rio.

Veja ponto a ponto, detalhadamente, do acordo:

  1. Climatização total da frota até Setembro de 2020, respeitando o cronograma abaixo:
    1. 150 novos ônibus em até 90 dias após o deferimento do termo de conciliação
    2. Até 31/12/2018 = 60% da frota (atualmente, o percentual está em 42%)
    3. Até 30/06/2019 = 70% da frota
    4. Até 31/12/2019 = 80% da frota
    5. Até 30/06/2020 = 90% da frota
    6. Até 30/09/2020 = 100% da frota
  2. O Rio Ônibus compromete-se a retirar as ações movidas por ela contra a Prefeitura do Rio, todas correndo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
  3. Os consórcios serão obrigados a apresentar, num prazo de 2 meses, a partir de hoje, balancetes trimestrais de suas operações contábeis e financeiras. O que significa a tal abertura da “caixa-preta”.
  4. Doação de R$ 7.000.000,00 pelo Rio Ônibus para ajudar na aquisição da matéria-prima asfáltica para ser usada no recapeamento das principais vias do Rio
  5. Também haverá uma outra doação, com valor a ser estipulado, para ajudar na aquisição de concreto para o recapeamento das pistas do BRT, principalmente na Transoeste (Barra x Santa Cruz/Campo Grande)
  6. Os consórcios deverão, no prazo de 24 horas, assumir 50% das linhas operadas por uma empresa que descumpra essa obrigação,  de forma que seja garantida a prestação de serviços aos usuários. A recomposição integral deverá se dar em até 30 dias, respeitando-se a quantidade de veículos necessários para a adequada prestação de serviço.
  7. Uma vez apontada pela auditoria uma tarifa maior do que o estabelecido, os consórcios desde já renunciam ao valor da diferença encontrada, sendo mantida a importância de R$ 3,95. Caso a auditoria aponte uma tarifa menor do que a estabelecida, esta poderá ser imediatamente aplicada, respeitados os prazos contratualmente previstos. A diferença cobrada a mais no período deverá ser subtraída do valor tarifário encontrado, pelo tempo necessário para ressarcimento do montante cobrado a mais.
  8. Os novos ônibus, a partir de agora, deverão contar com Wi-Fi e carregador USB 3.0. No caso do USB, deverão estar disponíveis, no mínimo, a cada 2 fileiras de bancos.
  9. Será implantado o aplicativo Ônibus.Rio, que contará com os horários e itinerários de todas as linhas da cidade, além de poder receber alertas para descida no ponto escolhido.

“O que todos precisam entender é que nós estamos há um ano e meio sem reajuste. E, ainda assim, nós temos uma das passagens mais baratas da região. Em São Paulo, por exemplo, há um subsídio de R$ 3 bilhões, a população coloca esse valor para que a passagem, que seria de R$ 6,66 fique em torno de R$ 4,00. Pelos nossos estudos, a fórmula paramétrica apontava para uma tarifa de R$ 4,05, e nós conseguimos negociar e reduzir para R$ 3,95”, explicou Crivella, no Palácio da Cidade, após assinar o decreto com os termos do acordo.

O reajuste só passará a valer 10 dias após a retirada das 3 ações movidas contra a Prefeitura e que estão tramitando no Tribunal de Justiça. Caso isso ocorra na semana que vem, a previsão é que o reajuste passe a valer a partir do dia 14.

Com o anúncio do reajuste, põe-se fim à longa guerra por conta da passagem, que começou no final de 2016, quando o vice-prefeito que assumiria (Fernando MacDowell, já falecido) pediu para que o ex-prefeito Eduardo Paes não desse a tarifa de R$ 3,95. Após isso, a passagem caiu para R$ 3,60, em Agosto, e depois para R$ 3,40, em Novembro de 2017. Em Fevereiro a passagem voltou à R$ 3,60, valor que permanece até então, mesmo com uma liminar, que fora suspensa antes mesmo de vigorar, determinado nova redução para R$ 3,40.

COM INFORMAÇÕES DA PREFEITURA DO RIO E DO G1 RJ

Três empresas e o BRT param de operar neste final de semana por causa da falta de diesel

Viação Jabour, Viação Novacap e Viação Tijuca não irão para as ruas no fim de semana

No 5º dia de protestos dos caminhoneiros, por conta da alta no preço do diesel, pelo menos, 3 empresas não terão condições de operar neste final de semana. São elas: Jabour, Novacap e Tijuca. E o Consórcio BRT publicou nota informando que todo o sistema será suspenso a partir de amanhã. Confira o que aconteceu (e acontecerá) com elas e outras empresas que divulgaram seus esquemas especiais para o final de semana:

VIAÇÃO JABOUR:

P1390629

A Auto Viação Jabour, do Consórcio Santa Cruz, circulou com pouco menos de 10% de sua frota na noite desta sexta-feira. A sua principal linha, a 864 (Bangu x Campo Grande), parou por volta das 20:00, após circular o dia todo com 1 ônibus apenas. Para este sábado, apenas 5 linhas irão rodar no primeiro turno: 835, 838, 864, 867 e 884. O segundo turno ainda está incerto, podendo, inclusive, não rodar por completo.
(Informação corrigida às 11:00)

VIAÇÃO NOVACAP:

1-P1390680

A empresa divulgou em suas redes sociais que neste sábado, operará com 60 ônibus, sendo distribuídos igualmente (20 cada uma) entre 371, 624 e 917. A linha SV917 (Bonsucesso x Realengo via Rua Marina) estará suspensa e a cota dela na linha 265 (Marechal Hermes x Castelo) segue suspensa até segunda ordem. No domingo, a empresa informou que não sairá pras ruas, pois seu estoque reserva de diesel acabou.

VIAÇÃO TIJUCA:

Segundo informações apuradas pelo Portal Flumibuss RJ, nenhum coletivo da empresa sairá a partir de amanhã, até que a situação se normalize. A exceção deverá ficar por conta dos ônibus que fazem o serviço do Metrô na Superfície (Gávea x Antero de Quental ou Botafogo).

CONSÓRCIO BRT:

1-P1390442

O Consórcio BRT divulgou uma nota informando que irá interromper todo o sistema a partir da 00:00 deste sábado, pois o estoque de diesel nas empresas já zerou. E que espera uma definição o mais breve possível para voltar a operar com a frota mínima necessária. Confira a nota:

(Atualização, às 22h55) Sem ter como abastecer seus articulados, pela falta de combustível nos postos e garagens, o BRT Rio, apesar de todos os esforços, não conseguirá manter o sistema operando na manhã deste sábado, dia 26. Todos os serviços, nos três corredores expressos – Transoeste, Transcarioca e Transolímpica –, serão suspensos por tempo indeterminado. Neste momento, os estoques de diesel das empresas consorciadas estão zerados. Os articulados voltarão a circular tão logo se restabeleça a distribuição de combustível no estado e o Consórcio consiga abastecer o número de veículos necessário para normalizar a operação. Estamos trabalhando para conseguir repor a reserva de diesel no mais curto prazo possível. Pedimos aos nossos clientes que acompanhem nossas comunicações nas redes sociais do BRT. Assim que houver as condições mínimas para operação, retomaremos imediatamente os serviços

A cidade do Rio operou, até às 18h desta sexta-feira, com 52% de sua frota, segundo a Rio Ônibus. Porém, caso a situação não seja normalizada o quanto antes, há o risco de paralisação total do sistema, o que, segundo previsões, PODERÁ acontecer na segunda-feira.

Litoral Rio entrega suas linhas ao Consórcio Transcarioca

Desde ontem (21), as linhas foram assumidas pelo Grupo Redentor

1-20180521_162058

Desde ontem (21/05), as linhas antes operadas pela Litoral, como a 390, foram assumidas pelo Grupo Redentor.

A estatística de empresas fechadas só aumenta. A Litoral Rio Transportes, do Consórcio Transcarioca, encerrou suas atividades no último domingo (20/05), após um longo período de incerteza sobre a permanência no sistema. Ao contrário de outros encerramentos de empresas, o pós-encerramento da Litoral Rio foi planejado para que quase todas as linhas fossem cobertas pelo Consórcio, sem deixar nenhum passageiro à pé. A Litoral Rio deixa o sistema com uma dívida de R$ 26 milhões em impostos atrasados, segundo as informações divulgadas pelo Jornal O Globo na semana passada.

Todas as linhas que a empresa operava foram absorvidas pelo Grupo Redentor, representado pela própria Redentor e pela Transportes Futuro. Confira as linhas absorvidas pelo consórcio e o status de operação delas:

  • 380 – Curicica x Candelária (via Linha Amarela/Pau-Ferro) = Inoperante
  • 390 – Curicica x Candelária (via Serra/Freguesia) = 18 ônibus
  • SV390 – Curicica x Candelária (via Serra/Pau-Ferro) = Inoperante
  • 600 – Taquara (Boiúna) x Saens Peña = 17 ônibus
  • 601 – Taquara (Capela) x Saens Peña = 10 ônibus
  • 611 – Rio Centro x Del Castilho (via Curicica/Linha Amarela) = 8 ônibus*
  • 817 – Recreio x Vargem Grande = 1 ônibus
  • 823 – Estrada do Pontal x Recreio = 3 ônibus
  • 859 – Tanque x Covanca = 1 ônibus
  • 880 – Rio das Pedras x Alvorada = 10 ônibus
  • SV880 – Rio das Pedras x Rio Centro = 2 ônibus
  • 900 – Merck x Downtown = 15 ônibus

*A linha 611 foi prolongada em 1km, do Camorim para o Rio Centro, parando junto com as linhas 348, 352, 368 e SP368.

1-P1380052

Linha 390 antes da Litoral fechar as portas. O estado de conservação dos ônibus da Litoral beirava os padrões surreais de conservação.

Importante destacar que, mesmo tendo fechado antes da Litoral, duas linhas que antes eram operadas pela Translitoral, que fechou em Março, (a 817 e a 823) também foram assumidas pelo Grupo Redentor. No caso da linha 823, o restabelecimento da linha foi importante, pois os moradores da Estrada do Pontal, no trecho que não é atendido pela linha Integrada 09 (Piabas x Rio Sul), não contam com nenhuma opção de ônibus para, ao menos, seguir até à uma estação do BRT (Recreio Shopping e Guiomar Novaes).

Com o fechamento da Litoral Rio, já são 5 empresas que encerraram as atividades só em 2018: Translitoral (em Março), Rubanil, América, Madureira Candelária e Litoral Rio (todas em Maio). Enquanto não houver uma resolução para o impasse na tarifa, certamente, mais empresas poderão fechar as portas.

 

Funcionários da Rubanil, América e Madureira Candelária conseguem rescisão unilateral de contrato

Em mais um capítulo envolvendo as três empresas, os rodoviários conseguem os direitos para rescindir o contrato

image_gallery

Audiência entre os rodoviários e os representantes das empresas Rubanil, América e Madureira Candelária. Foto: Reprodução site Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região/RJ

Em uma audiência de conciliação feita nesta terça-feira na Coordenadoria de Apoio à Efetividade Processual (CAEP) do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, no Centro do Rio, os rodoviários das empresas Rubanil, América e Madureira Candelária, sediadas em Irajá, na Zona Norte do Rio, e que estão paradas desde a última quinta-feira (03/05), conseguiram a rescisão unilateral dos contratos de trabalho.

Na sentença, proferida pela desembargadora Rosana Salim Villela Travesedo, vice-presidente do TRT/RJ e titular do Juízo Auxiliar de Conciliação de 2º grau junto à CAEP, foi aceito o pedido de tutela de urgência para baixa dos contratos de trabalho, além da liberação do Fundo de Garantia e do seguro-desemprego de trabalhadores incluídos em listagem que será remetida posteriormente pelo sindicato dos rodoviários da cidade do Rio (Sintraturb-Rio). A Caixa Econômica foi oficiada determinando o pagamento dos salários de 82 rodoviários, relativos ao mês de janeiro de 2018, no valor de R$ 276.600,00.

Na pauta seguinte, envolvendo a Madureira Candelária, além da baixa nos contratos de trabalho, liberação do FGTS e do seguro-desemprego, a empresa se comprometeu à receber os (agora ex) rodoviários na sede da empresa hoje, dia 9, e no dia 11 para respectiva baixa na CTPS, com data retroativa ao dia 8/5. Também foi determinado que a empresa entregue uma lista com os nomes de 98 trabalhadores, em 24 horas, e apresente as fichas de registro dos que faltarem nesta relação.

WhatsApp Image 2018-05-09 at 01.43.49

Pelas redes sociais circula uma cópia da ata de audiência relativo ao caso da Madureira Candelária. Foto: Reprodução Redes Sociais

Além das três, nesta terça-feira também houve audiência de conciliação envolvendo a Litoral Rio (e sua subsidiária extinta Translitoral). No caso delas, a Litoral comprometeu-se a depositar em 48 horas, junto à CAEP, valores descontados indevidamente de trabalhadores à título de auxílio-alimentação e pensão alimentícia – valores que eram deduzidos dos contracheques dos rodoviários mensalmente sem que fossem fornecidos. Foi determinado também que a empresa apresente em sete dias uma planilha de regularização salarial, férias e auxílio-alimentação. Além disso, foi deferido requerimento do sindicato dos trabalhadores para inclusão dos nomes de 150 empregados, 47 da Litoral e cerca de 90 da Translitoral, em uma lista para rescisão indireta dos contratos, com data de 8/5.

O QUE ACONTECE AGORA COM O TRIO?

Com a obtenção da rescisão unilateral dos contratos, os rodoviários das 3 empresas estão livres para obter uma vaga de trabalho em qualquer uma das outras empresas da cidade, em especial, àquelas que assumiram as linhas das três empresas (Caprichosa, Três Amigos, Estrela, Gire, Pavunense e Vila Real). As 3 empresas (Rubanil, América e Madureira Candelária) oficialmente ainda não estão sendo consideradas como extintas, porém, não há mais mão de obra para colocar as frotas em circulação. Posto isto, as empresas citadas acima e que estava operando em caráter provisório, podem passar a operar em caáter efetivo, desde que não haja nenhuma reviravolta no caso. As linhas que estão circulando são:

  • 349 (Rocha Miranda x Castelo) = Estrela, em Turno Único (3 horários por sentido)
  • 350 (Irajá x Passeio) = Estrela
  • 355 (Madureira x Tiradentes) = Três Amigos e Caprichosa
  • 665 (Pavuna x Saens Peña) = Gire, Pavunense e Vila Real
1-20180504_132313 copy

Até uma definição oficial, as empresas que entraram nas 4 linhas (349, 350, 355 e 665) seguirão operando em modo permanente, como a Estrela na 350.

Relembre as empresas de ônibus que fecharam desde o início do sistema de consórcios, por ordem cronológica, há 8 anos:

2015:

  • Rio Rotas (Santa Cruz)
  • Andorinha (Santa Cruz)
  • Translitorânea (Transcarioca)
  • Via Rio Class (Internorte/Transcarioca/Santa Cruz)

2016:

  • Algarve (Santa Cruz/BRT)
  • Bangu (Santa Cruz/BRT)

2017:

  • Santa Maria (Transcarioca/BRT)
  • São Silvestre (Intersul)

2018:

  • Translitoral (Transcarioca/BRT) (Obs: os ônibus que ainda rodam com o nome da empresa estão sob poder da Litoral Rio)

Com informações do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região/RJ

Obras da Linha 3 do VLT mudam saída do Terminal da Central

Haverá alteração de itinerário e readequação viária nas vias próximo à Central

O ano de 2018 está batendo à porta e já vem com mudanças. Para a primeira semana do ano, está previsto mudanças no itinerário de saída dos ônibus do Terminal da Central, para as obras da linha 3 do VLT Carioca, Rodoviária x Santos Dumont via Avenida Marechal Floriano, que começarão a partir do dia 06 de Janeiro (um sábado), às 14h. Para dar início às obras, um trecho de 270 metros da via, entre a Av. Tomé de Souza e a Rua Camerino/Avenida Passos será fechado. Com isso, os ônibus que saem do terminal da Central do Brasil em direção à Avenida Rio Branco e Avenida Passos mudarão o itinerário de saída.

Mapa com a nova configuração no entorno das obras da Avenida Marechal Floriano. Foto: SMTR/Prefeitura do Rio

LINHAS AFETADAS:

  • Troncal 1 – Central x General Osório (via Aterro)
  • Troncal 3 – Central x Leblon (via Aterro – Circular)
  • Troncal 5 – Central x Alto Gávea (via Jardim Botânico)
    • Itinerário atual: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano, Rua Visconde de Inhaúma, Av. Rio Branco, seguindo o itinerário habitual
    • Itinerário alterado: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos, Av. Presidente Vargas (pista central), agulha acesso pista lateral Rua Miguel Couto, Av. Presidente Vargas (pista lateral), Av. Rio Branco, seguindo o itinerário habitual

  • 107 – Central x Urca (Circular)
  • 309 – Central x Alvorada (Direto – via Praia do Flamengo)
    • Itinerário atual: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano, Av. Passos, seguindo o itinerário habitual
    • Itinerário alterado: Terminal Rodoviário Procópio Ferreira, Praça Procópio Ferreira, Praça Cristiano Ottoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos, seguindo o itinerário habitual

  • 007 – Central x Silvestre
    • Itinerário atual: Pça. Cristiano Otoni (Ponto Regulador), Rua Marcilio Dias, Rua Visc. da Gávea, Av. Marechal Floriano, Av. Passos, seguindo o itinerário habitual
    • Itinerário alterado: Pça. Cristiano Otoni (Ponto Regulador), Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos, seguindo o itinerário habitual

  • 202 – Rio Comprido x Praça XV
    • Itinerário atual: (…) Av. Marechal Floriano, Av. Tomé de Souza, Av. Presidente Vargas, Pça. Cristiano Otoni, Rua Marcílio Dias, Rua Visconde da Gávea, Av. Marechal Floriano, Av. Passos, seguindo o itinerário normal.
    • Itinerário alterado: (…) Av. Marechal Floriano, Av. Passos, Av. Presidente Vargas, Praça Cristiano Ottoni, Rua Senador Pompeu, Rua Camerino, Av. Passos, seguindo o itinerário habitual

Os ônibus da Trel e da União que fazem ponto final na via deverão fazer ponto final no Terminal Américo Fontenele, seguindo o itinerário dos ônibus que vão em direção ao Terminal, entrando na Rua Camerino e Rua Barão de São Félix.

As linhas Troncal 9 (Central x São Conrado) e 111 (Central x Leblon via Rebouças) não sofrerão alterações.

Para garantir a fluidez do tráfego, será proibido a parada e o estacionamento nos dois lados da Rua Senador Pompeu, onde os caminhões que fazem carga e descarga deverão utilizar as vias transversais, obedecendo os locais indicados.

A previsão de conclusão das obras da L3 é pro final do segundo semestre de 2018.

Conhecendo as linhas 876 e 881

Em operação desde o último dia 19 de Novembro, reforçam a “integração” da região de Jacarepaguá com o Metrô do Jardim Oceânico
Entrou em operação no último dia 19, duas novas linhas na região de Jacarepaguá e Barra da Tijuca. Estas linhas, segundo a Secretaria Municipal de Transportes, servem para reforçar a integração da região da Barra e Jacarepaguá com a estação Jardim Oceânico. São elas: 876, ligando o Hospital Cardoso Fontes à Praia do Pepê, e 881, ligando o bairro da Curicica ao Metrô do Jardim Oceânico. Vamos conhecer um pouco mais sobre o itinerário delas?

  • 876 (Hospital Cardoso Fontes x Joatinga – via Rio das Pedras)

1-p1290926

A linha 876 já é uma velha conhecida dos moradores da Freguesia. Trata-se da antiga linha LECD13, criada em 2014 como parcial da linha 878 (Tanque x Barra da Tijuca) e redesenhada em Julho de 2016 como substituta da linha 343 no trecho da Avenida (e Praia) do Pepê. Após o período Olímpico, a Transportes Futuro (operadora da linha) esticou ela até o Hospital Cardoso Fontes e, agora em novembro, foi enfim, efetivada como linha regular como parte da reestruturação das linhas da Zona Oeste, principalmente em decorrência da abertura da linha 4 do Metrô e aos BRT’s TransOlímpica e o Lote 0 do BRT TransOeste.

Confira o mapa com o itinerário da linha:

Capturar.JPG

A linha circula com 17 ônibus, sendo 6 deles do modelo Mega Plus (foto acima), adquiridos em 2016, e alguns outros do modelo Spectrum City (foto abaixo)
1-p1290976

  • 881 – Curicica x Metrô Jardim Oceânico

1-P1290914.jpg

Inesperadamente, dentro deste pacote de mudanças, a SMTR criou uma nova linha para melhorar o atendimento da região da Curicica. Trata-se da 881, ligando o bairro ao Metrô do Jardim Oceânico. Com uma frota de 8 carros, a linha faz parte do itinerário da linha LECD10 (Curicica x Rio Sul), como mostra o mapa abaixo.

Capturar 2.JPG

Mapa com o itinerário da nova 881. Fonte: Vá de Ônibus

Curiosamente, a LECD10, passados 2 anos após a sua criação ainda não foi oficializada como linha regular, mesmo após o encurtamento da linha original (a 332, agora 552 – Integrada 2) e agora foi-se criada uma linha em cima de uma linha ‘teoricamente’ experimental. Cabre lembrar que até o início do ano, o numeral 881 pertencia à uma outra linha, a Campo Grande x Vilar Carioca, operada pela extinta Viação Algarve.

1-20161124_132435