Definido o dia do reajuste das passagens: domingo

A confirmação aconteceu em entrevista ao comentarista Edmilson Ávila, do RJ1

1-20180521_162058

Ônibus da Redentor com o adesivo de passagem à R$ 3,60. Passagem será reajustada no domingo.

O Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, confirmou que a passagem dos ônibus aumenta para R$ 3,95 no próximo domingo (17/06), 13 dias após o Rio Ônibus, sindicato que representa as empresas de ônibus, ter retirado as 3 ações que movia contra a Prefeitura do Rio, por 3 reajustes não concedidos – já que, por contrato, o reajuste tem que ocorrer anualmente. São eles: os de 2013 (quando a passagem aumentaria para R$ 2,95), 2017 (quando a passagem seria reajustada para os mesmos R$ 3,95 de agora) e 2018.

Inicialmente, o reajuste estava marcado para a próxima sexta-feira, porém, segundo o próprio prefeito, o reajuste foi remarcado para o próximo domingo para, segundo ele, “evitar transtornos”. Cabe lembrar que o reajuste só foi concedido após um acordo firmado entre Prefeitura e Rio Ônibus e traz uma série de medidas, tais como:

  • A climatização total da frota até Setembro de 2020, sendo que um mínimo de 150 ônibus têm que chegar em até 90 dias após o reajuste.
  • A doação de R$ 7 milhões para a Prefeitura para ajudar no recapeamento das principais vias da cidade e dos corredores BRT – especialmente o TransOeste.
  • A reativação de todas as linhas que desapareceram nos últimos tempos.

Veja a tabela abaixo com o sobe-e-desce das passagens desde 2017:

Capturar 3.JPG

Tabela com o sobe-e-desce das passagens, divulgado no RJ1 de hoje. Foto: Reprodução RJ1 – TV Globo

Em nota, a Prefeitura disse que o impasse entre rodoviários e empresas de ônibus, na greve ocorrida anteontem, e a reunião de conciliação no prédio da Cidade Nova, foram essenciais para que o reajuste ocorresse neste final de semana, para não haver um novo risco de greve e eventual colapso do sistema, tal qual durante a greve dos caminhoneiros. Confira a nota completa:

Diante do impasse estabelecido entre rodoviários e empresas de ônibus, capaz de deflagrar nova greve, com sérios transtornos à população e prejuízos ainda maiores à economia da cidade, a Prefeitura do Rio informa que reajustará a tarifa da passagem de ônibus para R$ 3,95, como já estava acordado. O novo valor entrará em vigor no próximo domingo (17/6). 
 
Reunião de mediação presidida pelo prefeito Marcelo Crivella na última segunda-feira (11/6) selou a conciliação entre as partes, impedindo que a paralisação dos rodoviários se prolongasse,  ocasionando o colapso do sistema de transporte, tal como ocorreu durante o movimento dos caminhoneiros.
 
O valor da nova tarifa resultou de negociação concluída em 1º de junho entre a Prefeitura e o Sindicato das Empresas de Ônibus do Rio de Janeiro (Rio Ônibus), que incluiu, entre outras condições, a desistência de ações judiciais da gestão anterior, com condenações de mais de R$ 180 milhões.

Cabe lembrar, também, que, ao contrário dos últimos anos, não haverá o tradicional período de carência de 30 dias para créditos do Rio Card adquiridos antes do reajuste nas passagens. Portanto, já preparem as contas.

Com informações do G1 Rio.

Anúncios

Nota de esclarecimento aos leitores sobre a matéria “A nova JL Turismo”

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Rio de Janeiro, 12 de junho de 2018

O Portal Flumibuss RJ vem a público esclarecer para todos que algumas informações e fatos que constam na matéria “A nova JL Turismo”, publicada em julho de 2017, são inverídicas. O site ressalta que, após uma nova pesquisa, a empresa não possui nenhuma ligação com a empresa UTIL, mencionada na matéria, sendo uma empresa 100% independente.

A JL Turismo foi criada em 2017 com focos para atendimento à condomínios, em especial os da região da Barra da Tijuca e Recreio, e atendimento ao mercado de turismo. Atualmente conta com o fretamento condominial do Barra Bali, próximo ao BRT Salvador Allende, e realiza fretamentos turísticos por todo o Estado e também pelo país.

O Portal Flumibuss RJ acredita no diálogo e na transparência dos fatos, e, posto isto, abre o espaço para a direção da JL Turismo prestar os devidos esclarecimentos a todos os leitores.

Cordial abraço a todos!
Gabriel Petersen Gomes – editor responsável pelo site

Prefeitura anuncia, enfim, o reajuste da tarifa para R$ 3,95

Inicialmente previsto para ser R$ 4,05, ambas as partes negociaram redução de R$ 0,10.

Capturar4

Prefeito Crivella com Presidente do Rio Ônibus, Claudio Callak, anunciando o reajuste. Foto: Reprodução G1 RJ

Demorou, mas saiu. Em uma cerimônia hoje no Palácio da Cidade, o Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e o presidente do Rio Ônibus, Claudio Callak, assinaram o acordo que, entre outros pontos, fixa o valor da tarifa do Bilhete Único Carioca em R$ 3,95, um reajuste de 9,72%. Dentre os pontos acordados, estão: a climatização total da frota até 2020, lançamento de um aplicativo com o horário e itinerário de todas as linhas e a renúncia aos processos movidos pelo Rio Ônibus contra a Prefeitura do Rio.

Veja ponto a ponto, detalhadamente, do acordo:

  1. Climatização total da frota até Setembro de 2020, respeitando o cronograma abaixo:
    1. 150 novos ônibus em até 90 dias após o deferimento do termo de conciliação
    2. Até 31/12/2018 = 60% da frota (atualmente, o percentual está em 42%)
    3. Até 30/06/2019 = 70% da frota
    4. Até 31/12/2019 = 80% da frota
    5. Até 30/06/2020 = 90% da frota
    6. Até 30/09/2020 = 100% da frota
  2. O Rio Ônibus compromete-se a retirar as ações movidas por ela contra a Prefeitura do Rio, todas correndo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
  3. Os consórcios serão obrigados a apresentar, num prazo de 2 meses, a partir de hoje, balancetes trimestrais de suas operações contábeis e financeiras. O que significa a tal abertura da “caixa-preta”.
  4. Doação de R$ 7.000.000,00 pelo Rio Ônibus para ajudar na aquisição da matéria-prima asfáltica para ser usada no recapeamento das principais vias do Rio
  5. Também haverá uma outra doação, com valor a ser estipulado, para ajudar na aquisição de concreto para o recapeamento das pistas do BRT, principalmente na Transoeste (Barra x Santa Cruz/Campo Grande)
  6. Os consórcios deverão, no prazo de 24 horas, assumir 50% das linhas operadas por uma empresa que descumpra essa obrigação,  de forma que seja garantida a prestação de serviços aos usuários. A recomposição integral deverá se dar em até 30 dias, respeitando-se a quantidade de veículos necessários para a adequada prestação de serviço.
  7. Uma vez apontada pela auditoria uma tarifa maior do que o estabelecido, os consórcios desde já renunciam ao valor da diferença encontrada, sendo mantida a importância de R$ 3,95. Caso a auditoria aponte uma tarifa menor do que a estabelecida, esta poderá ser imediatamente aplicada, respeitados os prazos contratualmente previstos. A diferença cobrada a mais no período deverá ser subtraída do valor tarifário encontrado, pelo tempo necessário para ressarcimento do montante cobrado a mais.
  8. Os novos ônibus, a partir de agora, deverão contar com Wi-Fi e carregador USB 3.0. No caso do USB, deverão estar disponíveis, no mínimo, a cada 2 fileiras de bancos.
  9. Será implantado o aplicativo Ônibus.Rio, que contará com os horários e itinerários de todas as linhas da cidade, além de poder receber alertas para descida no ponto escolhido.

“O que todos precisam entender é que nós estamos há um ano e meio sem reajuste. E, ainda assim, nós temos uma das passagens mais baratas da região. Em São Paulo, por exemplo, há um subsídio de R$ 3 bilhões, a população coloca esse valor para que a passagem, que seria de R$ 6,66 fique em torno de R$ 4,00. Pelos nossos estudos, a fórmula paramétrica apontava para uma tarifa de R$ 4,05, e nós conseguimos negociar e reduzir para R$ 3,95”, explicou Crivella, no Palácio da Cidade, após assinar o decreto com os termos do acordo.

O reajuste só passará a valer 10 dias após a retirada das 3 ações movidas contra a Prefeitura e que estão tramitando no Tribunal de Justiça. Caso isso ocorra na semana que vem, a previsão é que o reajuste passe a valer a partir do dia 14.

Com o anúncio do reajuste, põe-se fim à longa guerra por conta da passagem, que começou no final de 2016, quando o vice-prefeito que assumiria (Fernando MacDowell, já falecido) pediu para que o ex-prefeito Eduardo Paes não desse a tarifa de R$ 3,95. Após isso, a passagem caiu para R$ 3,60, em Agosto, e depois para R$ 3,40, em Novembro de 2017. Em Fevereiro a passagem voltou à R$ 3,60, valor que permanece até então, mesmo com uma liminar, que fora suspensa antes mesmo de vigorar, determinado nova redução para R$ 3,40.

COM INFORMAÇÕES DA PREFEITURA DO RIO E DO G1 RJ

CARTA ABERTA sobre a Caravana Flumibuss

banner caravana 2018 cancelada

Rio de Janeiro, 31 de maio de 2018

Caros amigos que acompanham o Portal Flumibuss,

Desde que lancei o evento manifestando o interesse em poder ajudar à quem nos acompanha há muito tempo a ir para o 10º Encontro de Busólogos de Teresópolis, organizado pelo pessoal do Terebus, o qual o site tem enorme apreço e consideração, esperava que pudesse ter muitos interessados, já que nossa caravana seria a única que sairia do Centro do Rio e passaria por um ponto que muitos poderiam ter acesso – que é o Norte Shopping. Mas, pelo segundo ano consecutivo, estou sendo obrigado à CANCELAR a Caravana. Devido à: procura quase nula e, principalmente, por conta de boicote de algumas pessoas. Isso aí, boicote. Mesmo com segurança reforçada para evitar sabotagem na inscrição, algumas pessoas (no qual não me compete dizer nomes) resolveram enviar inscrições totalmente deturpantes, na tentativa de sabotar a Caravana, pois o site só estava aceitando inscrições realmente válidas. E, no evento do Facebook, estas mesmas pessoas estavam marcando seus semelhantes – inclusive alguns que estão organizando caravanas TAMBÉM – para invadir o evento e fazer piadinhas contra minha pessoa, principalmente por eu ser desafeto de alguns muitos.

O Portal Flumibuss, nestes 8 anos de estrada, passou por muitas modificações, pois acredito que devemos sempre evoluir nossos sites e blogs. Há pouco mais de 1 ano, já sou considerado como um influenciador digital no ramo da mobilidade urbana, pois há pessoas importantes do ramo que acompanham a página e procuro sempre ser imparcial, mas sem perder a essência de ser carioca. Ou seja: escrever publicações longe daquele jornalismo que enjoa e possa ser considerada “manipulativa”. Trago sempre um novo olhar sobre os transportes do Rio de Janeiro, muito diferente do que a mídia tradicional aborda. Assuntos que, dificilmente são abordados em um RJTV da vida, são abordados e ganham enorme repercussão. É muito difícil você cuidar de um site, mesmo com 1.930 pessoas curtindo sua página, e não tendo condições de fazer uma cobertura 100% ideal, já que o propósito do site é abordar empresas de todo o estado, me limitando somente a cobrir Região Metropolitana e, vez ou outra, cidades da Região dos Lagos ou Serrana.

Como compensação, eu anuncio que o Portal Flumibuss fará esforços para cobrir a Transpúblico 2018, que será realizada em São Paulo/SP, no final do mês de julho. Mas você pode se perguntar: porque Transpúblico de novo, se esse ano seria ano de Fetransrio? Pois bem, pela primeira vez, a Fetransrio e a Etransport NÃO SERÃO realizadas. Em virtude de todos os acontecimentos ocorridos envolvendo a Fetranspor, principalmente no âmbito da operação Lava-Jato e Calicute

Termino esta carta aberta dizendo o seguinte: O mundo dá voltas. As pessoas que criticam para derrubar hoje, no futuro vão provar do próprio veneno. E peço desculpas ao Terebus pois acredito que vocês queriam que todas as caravanas confirmadas estivessem presentes, porém, mais uma vez, não pude tirar do papel por conta de meia dúzia de três ou quatro.

Um cordial abraço a todos,
Gabriel Petersen Gomes
Editor Chefe e fundador do Portal Flumibuss RJ

Crivella nomeia novo secretário de Transportes

O escolhido é o ex-presidente da Comlurb, Rubens Teixeira, que tinha sido afastado pela Justiça. MacDowell ganha um cargo de “super secretário de transportes”

Untitled-2

Troca-troca: Sai MacDowell e entra Teixeira. Uma indicação, apontada por muitos, política.

O Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, fez uma dança das cadeiras no seu secretariado nesta quarta-feira (24). O secretário Fernando MacDowell foi exonerado da pasta, após 1 ano e 3 semanas à frente da pasta. Em seu lugar, entra o ex-presidente da Comlurb, Rubens Teixeira. No caso de Teixeira, já é a terceira pasta que ele ocupa desde o início da gestão Crivella. Ele começou sendo secretário de conservação e meio ambiente (que foram unificadas) e depois transferido para a presidência da Comlurb. Porém, uma decisão da Justiça, baseando-se numa lei federal, ordenou o afastamento no último dia 11. Teixeira foi candidato à vereador nas últimas eleições e a lei proíbe a nomeação pra cargos de empresas públicas – como a Comlurb – de pessoas que tenham participado de campanhas políticas, seja como dirigente partidário ou candidato.

Já MacDowell não irá ficar sem cargo. Foi criado o Conselho Consultivo Autoridade da Mobilidade e dos Transportes do Município do Rio de Janeiro (CAMTRJ), para tratar da regulação e da fiscalização do setor de mobilidade e de transportes terrestres, fluviais e ferroviários, que ficará sob responsabilidade dele. O prefeito Crivella explicou qual vai ser a função do vice-prefeito e, agora, ex-secretário.

— Ele vai para uma função de planejamento estratégico na área de transportes. O dia a dia da secretaria de Transportes era um castigo para um cérebro privilegiado como o dele, que esteve à frente de grandes projetos estruturais no passado, como a implantação do metrô. A ideia foi valorizar isso. Na secretaria, há uma série de questões a serem resolvidas que tomam tempo. A revisão das linhas de ônibus, ações judiciais que atingem o setor entre outros problemas — explicou o prefeito.

O problema é que Rubens Teixeira deverá ser uma solução provisória. Ele deve deixar o cargo, provavelmente em Março, para concorrer ao cargo de deputado.

NOVO SECRETÁRIO ASSUME COM GRANDES PROBLEMAS:

Rubens Teixeira assume a Secretaria Municipal de Transportes tendo que resolver questões que impactam no dia a dia de quem depende dos ônibus do Rio. A revisão das linhas de ônibus que foram afetadas pela racionalização, promovida pelo ex-prefeito Eduardo Paes, e que até agora somente uma linha voltou a operar (a 484, Olaria x General Osório), a pressão por parte da Rio Ônibus para que a tarifa seja reajustada para evitar o avanço do sucateamento da frota de ônibus da cidade, entre outros tantos itens.

Capturar3

Hoje, policiais da Delegacia do Consumidor estiveram na garagem da Paranapuan e lacraram 17 ônibus, de 50 vistoriados. A empresa nega os lacres. Foto: Reprodução RJ1 / TV Globo

E no dia da publicação da nomeação, a garagem da Transportes Paranapuan, na Ilha do Governador, foi alvo de uma operação de fiscalização da Delegacia do Consumidor (DECON), da Polícia Civil. Equipes estiveram na garagem e vistoriaram 50 ônibus. Destes, 17 foram lacrados. Os problemas encontrados foram relativos da acessibilidade à rampa dos cadeirantes nos veículos, falta de extintores de incêndio, além de faróis danificados. Segundo o delegado Ricardo Barboza, titular da especializada, os veículos estavam trafegando sem condições de uso e, caso essas irregularidades se configure delito na esfera penal, os responsáveis pela empresa vão responder por crime contra as relações de consumo, com pena prevista de 2 a 5 anos de prisão. A DECON comunicou à empresa as irregularidades e os veículos foram impedidos de circular.

A Paranapuan informou em nota que a frota circulou normalmente e que faz todos os esforços para que a empresa, mesmo com as decisões unilaterais vindos da Prefeitura, funcione normalmente, com os pagamentos em dia e com o mínimo de problemas operacionais.

Por Gabriel Petersen Gomes
COM INFORMAÇÕES DE G1 RIO, JORNAL EXTRA e RJTV/RJ1

Direto da Redação: Viação Algarve – Quando será o enterro e quem vai segurar a bomba?

Diante dos problemas evidentes denunciados pela mídia, interdições pelo Procon e a falta de fiscalização pra Prefeitura, a Algarve já está morta, só falta enterrar. Agora… Quando?

Um dos problemas recorrentes encontrados nos ônibus da Algarve é a falta de um (ou dos dois) limpador(es) de parabrisa, item obrigatório, segundo o Código de Trânsito Brasileiro.

Um dos problemas recorrentes encontrados nos ônibus da Algarve é a falta de um (ou dos dois) limpador(es) de parabrisa, item obrigatório, segundo o Código de Trânsito Brasileiro.

Hoje, o Procon Estadual, em mais uma fase da Operação Roleta Russa – cujo objetivo é verificar irregularidades nas empresas de ônibus do RJ, fez uma visita na Viação Algarve, cuja sede fica no bairro de Paciência, Zona Oeste do Rio. É sabido de todos nós que a situação do Consórcio Santa Cruz está crítica desde o início do fim das empresas Andorinha e Rio Rotas (ônibus mal-conservados, quebrando toda hora, risco grave de acidentes, entre outras coisas). Na Algarve, os fiscais interditaram 28 ônibus, mas se dependesse do Procon, a empresa toda iria ser fechada, pois dos 300 ônibus que a empresa possui (incluído justamente os carros da ‘Andorrotas’, que estão atreladas à Algarve), somente 100 possui condições de rodar – e ainda assim todos com as vistorias muito atrasadas, algumas datadas de 2010 (ano em que houve a licitação – que muitos julgam até hoje que é uma farsa, para beneficiar as empresas do Grupo Guanabara, comandado pelo empresário Jacob Barata – e houve também a fusão da antiga Oeste com a Algarve).

Um dos BRT's da empresa. Embora estejam muito mal-conservados, são um dos poucos ônibus com a manutenção razoável na empresa.

Um dos BRT’s da empresa. Embora estejam muito mal-conservados, são um dos poucos ônibus com a manutenção razoável na empresa. Foto: Gabriel P. Gomes / Acervo Flumibuss RJ

A Prefeitura, sempre que a mídia relata problemas na Viação Algarve, diz que vai reforçar a fiscalização e tal. Mas como reforçar a fiscalização se o corpo para fazer tais ações só possui 40 funcionários? A frota total de ônibus na cidade do Rio é de 8.900 ônibus, se cada um dos 40 fiscais irem para as ruas, a média de vistoria para cada fiscal vai ser de 223 ônibus por fiscal! Um número alarmante, que, sendo desta forma, “permite” que as empresas, sabendo da pífia manutenção, obrigam seus funcionários a dirigirem ônibus praticamente se desmontando e meio que na marra – e ainda sob risco de ter desconto em caso de alguma batida, decorrente da falta de manutenção. Quem não se lembra do acidente com o ônibus da Viação Oeste Ocidental 43201 que tombou na Avenida Brasil, ocasionando a morte de 2 pessoas e que deixou evidente a falta de manutenção da empresa? Vai ser preciso que ocorra um acidente para a Prefeitura oficializar o descredenciamento da empresa (quando a consorciada comete infração gravíssima ao código disciplinar do SPPO)?

Para o Procon, não será preciso. Ainda sobre a vistoria feita hoje, em entrevista à Rádio Tupi, o órgão informou que entrará com um recurso no Ministério Público Estadual obrigando à Secretaria Municipal de Transportes fechar a Algarve. Só que nisso se esbarra em mais um empecilho. Quem assume as linhas? O Consórcio Santa Cruz só possui 9 empresas, onde já teve um processo de reestruturação para absorver as linhas que antes eram operadas pela dupla Andorinha – Rio Rotas, e um novo processo de reestruturação oneraria mais custos para as empresas, saturando-as e, dependendo das circunstâncias, até quebrando.

P1120399

Um dos frescões que a empresa opera. Nem nestas linhas, cuja passagem custa de R$ 9,50 à R$ 12,00, a manutenção está em dia, e, dependendo das circunstâncias, pode ocasionar incêndios acidentais que complicam o trânsito, principalmente na Avenida Brasil. Foto: Gabriel P. Gomes / Acervo Flumibuss RJ

A Algarve tem hoje registrada 19 linhas, mas opera efetivamente apenas 13 linhas – 6 delas foram desativadas sem nenhuma explicação. Os frescões, uma das principais “fontes de renda” da empresa, sofrem demais com a falta de manutenção. Quase sempre é comum encontrar um ônibus enguiçado, ou então, incendiado na Avenida Brasil travando todo o trânsito vindo da Zona Oeste ou do Centro. A mídia cai em cima da Prefeitura, só que nada é feito para que os passageiros da Zona Oeste se sintam um pouco mais contentes em ter ônibus decente para servi-los. Algumas perguntas ficam no ar, inclusive com algumas que podem permanecer sem nenhuma resposta, graças à conivência:

  1. Algarve já está morta, quando será o enterro e quem vai segurar a bomba?
  2. Se houver o colapso nos transportes do RJ, o Prefeito vai admitir que foi tudo culpa exclusivamente dele e dos comandantes do início da era dos consórcios e do atual secretário (Alexandre Sansão e Rafael Picciani)?
  3. Em caso de nova licitação, quem vai criar coragem de operar um sistema falido, cuja Prefeitura investe em BRT – e, ao invés de colocar como uma alternativa às linhas convencionais, corta todas as linhas, sobrecarregando demais?